Como Definir o Seu Concurso Alvo e Encontrar Seu Foco de Estudo

0 Flares Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×

“Se eu atirar para todo lado, tenho mais chances de acertar o alvo!”

“Quero passar em um concurso, qualquer um!”.

É comum ouvir isso de concurseiros iniciantes.

Assim, o candidato em questão passa a estudar, se inscrever e fazer provas para os mais diversos órgãos e cargos.

Há a ilusão de que, por querer qualquer um, o leque de opções é maior e, consequentemente, haverá mais chance de conseguir.

Mas essa lógica está invertida!

Atirar para todo lado significa fazer provas frequentemente.

concurso-publico

Essas provas podem cobrar conteúdos completamente diferentes e também serem aplicadas por bancas distintas.

Pode ser que um cargo exija conhecimentos de redes de computadores, outro cargo exija conhecimentos de direito civil e um terceiro cargo exija conhecimentos de orçamento público, por exemplo.

Agora eu pergunto: se estudar um edital já é uma tarefa complexa, o quão difícil seria estudar 3 editais diferentes, cada um trazendo uma matéria específica e complexa que não guarda relação com os demais?

Quanta energia pode ser desperdiçada com essa ansiedade de querer passar logo para qualquer um?

 

Mas como resolver essa falta de foco e definir o seu concurso alvo?

Alguns fatores devem ser levados em conta na definição do foco.

Os fatores podem ser combinados e recombinados a depender do momento de vida, do estágio da carreira profissional e da estratégia de estudos do candidato.

Fator nº 1: Formação acadêmica

Cabe ao concurseiro definir se vai estudar para concursos voltados à sua área de formação acadêmica ou se vai preferir concursos mais gerais.

concurso-publico-2

Essa escolha deve ser realizada logo no início dos estudos, pois influenciará em todas as decisões que se seguirem.

Há psicólogos, por exemplo, que focam apenas em cargos privativos da sua formação (trata-se de um nicho de mercado, onde o conhecimento é muito especializado).

Há outros, contudo, que optam por abandonar a atuação na sua área de formação e atacam cargos generalistas, que aceitam qualquer formação superior.

Há formações que são tão abrangentes, como direito, medicina e computação, que além da formação básica deve-se levar em conta a especialidade /afinidade com os assuntos da área.

No caso de concursos de nível médio é importante perceber a afinidade e o rendimento que se tem com as matérias exigidas no ensino médio e aquelas exigidas no certame.

Quem tem medo de matemática, por exemplo, ou evita concurso para bancos, ou se propõe a fortalecer seu conhecimento no assunto.

Fator nº 2: Perfil do cargo e afinidade profissional

Policial federal, auditor da Receita Federal, analista legislativo, técnico judiciário, procurador da república, juiz.

concurso-publico-3

A lista de cargos é infinda.

Assim como são as atribuições, os ônus e bônus e a rotina de atuação profissional.

Você consegue se ver atuando vários anos naquele cargo? Dedicando sua energia e sua vida?

Ou consegue pelo menos ver o cargo como um degrau da sua escada para seu sucesso, um degrau da sua estratégia?

O salário é bom?

O clima de trabalho é apropriado para você?

Qual cargo é mais propício para alinhar seus sonhos, valores e talentos e ao mesmo tempo poder contribuir para o Estado e para a sociedade?

Pense nisso! Já vi um ex policial rodoviário federal ficar infeliz atuando na rotina de auditor do TCU, apesar do salário e dos benefícios.

Fator nº 3: Conteúdo programático

O conteúdo do edital tende ao infinito e o tempo para estudar tende a zero.

concurso-publico-4

Comece, então, analisando o conteúdo exigido pelos cargos, para ver se é possível estudar de forma paralela ou aproveitar uma boa parte do estudo de um concurso X para outro concurso Y que se realizará dali a 2 meses.

Por exemplo, se você está começando com concursos de nível médio, pode definir que vai estudar para o cargo de escriturário da Caixa.

Então, se sair um concurso para técnico do TCU, você não vai estudar, por maior que seja a tentação, pois o conteúdo é muito diferente.

Agora, se sair o concurso do Banco do Brasil e houver, digamos, 80% de similaridade do edital, pode ser uma boa estratégia aproveitar o conhecimento acumulado no estudo anterior e estudar o que for diferente.

Muito bem! 

Acredito que com esses 3 fatores citados você já tenha mais condições de definir o seu concurso alvo e encontrar o seu foco de estudo.

Agora cabe a você arregaçar as mangas e ir atrás da sua vaga! =D